Monday, September 11, 2017

Reflections on Mother Wove the Morning


A very thoughtful member of our audience (his name has been changed) wrote me an email after our last performance. This is a re-worked version of my response to his questions.




Hi Peter!

I’m really grateful that you could attend our performance, and hope that some of what I write here will be helpful to you, as it will undoubtedly be helpful to me. Working on Mother Wove the Morning required a lot of time, soul, and heart, and it’s so nice to have an opportunity to look at it now, sometime after we closed. Thank you for that.

The reason this production came about is because… well it’s a quick story! I work at BYU, where I’m fairly vocal about my testimony and my questions. One day one of co-workers, who saw this play 25 years ago, dropped a copy of the script on my desk. She knew that I studied theater and wanted to learn more about Heavenly Mother, so it was sort of the perfect thing.

I devoured the little script that night. So many complicated female characters. So much rich history. So many beautiful, poetic words. But, quite frankly, I was incredibly intimidated by the material. Although I had studied theater, doing a one-woman show about these topics was really scary to me. I started daydreaming about it, but mostly repressed those daydreams because I thought they were unrealistic, and because I feared that a performance like this one might exacerbate questions and doubts for our audience, for our girls, and maybe even for myself.

This would have been last September. In October, as I viewed general conference, I had an overpowering prompting that I was to move forward with staging the play. Caitlin Hall’s name came into my mind (the woman who directed the show). I got in contact with her, and together we did move forward.

Throughout the process I continued to feel concern about this show’s potential to harm rather than heal, but God had told me to do it, so I figured that if God could continue to help shape the performance, that perhaps it could be a good thing after all. 

There were several directions that came down the revelation shoot to me and Caitlin. One was in regards to the creation of the mother chorus. Another was the use of the veils. (Those were actually cut up from the curtains I kept around my canopy bed when I was 14, so the whole thing felt an awful lot like Sound of Music.)

I personally felt like the mother chorus prevented the show from being purely an exploration of human (and sometimes toxic) emotion. Which, of course, would have made for a fine show! But it felt like this needed to be more. For me the mother chorus did ground things. Always having a physical representation of the divine on stage… I don’t know. It was powerful for me. It said to me, “Yes. This tragedy happened. Yes this tragedy is happening. But I am here, I am always here, and it’s going to be okay.”

I can’t think of a more healing message than that.

But at the end of the day each audience member, based on his or her own lived experiences, witnessed the play differently. So my (and our) prayer throughout the process was that the people who needed to see this show would be prompted to come.

We tried to craft something using the Spirit as our guide. Before every rehearsal and show we would have a cast devotional, study the scriptures together, and pray. So to sum up… our intention was to follow the Spirit, and our hope was that the end product of that exercise would be something nourishing.

Which I suppose leaves me to describe “nourishing” as I understand it. As I’ve grown older I’ve learned that I must give voice to the negative things, the hurts, the pains, even (and perhaps especially) the things that I have done wrong. The hurts I’ve inflicted on others. If I do not acknowledge them, they do not go away, but instead stay stoppered inside of me, and prevent me from progressing.  If I put this in physical terms, it makes a lot more sense, at least for me.

If I were to come find you, and beat your shins with a big stick, maybe even break one of them, would it be of any benefit to you for you to pretend it never happened? No. Obviously not. You have to acknowledge that it happened so you can take the next step and go see a doctor. I know this example is ridiculous. And yet we do this all the time with emotional wounds. We bury them. And pain is a bad bad seed. Pain does eventually sprout, Peter, and it doesn’t sprout good fruit.

We do this with the pains that others have inflicted on us, and we do this with the pains we inflict on ourselves. Guilt can go very very deep. This is why repentance is such a gift! Jesus Christ has provided a way for us to heal all wounds. But we cannot heal them if we cannot first acknowledge them. This acknowledging process does take courage. But it is crucial.

So in my mind, that’s what we were doing with Mother Wove the Morning. Taking the first step. Acknowledging. 

My next step is to take these wounds to Christ, to have him heal them and make sense of them for me. I hope (and pray) that our audience chooses to do the same thing.

The step after that, where I've found myself recently, is to trust that Christ can heal--that he has healed--and to build something new. A new paradigm, a new way to exist in the world, and a newer and better capacity to love.

As for your very well founded concerns that this play could foster doubt in those already struggling with issues in the LDS faith, I can tell you this: I personally have struggled with many doubts, and continue to do so. There are many facets of our history, our temple worship, and our current policies that are points of concern for me, and that I do not yet have answers to. But here’s the deal: I’m not going to get the answers I need if I am operating from a place of woundedness. The answers don’t get through when the pain is drowning them out.

I choose to believe that the answers are there. Accordingly, I’ve been trying to heal the wounds (through acknowledging—which being the Amber that I am happens very effectively in dramatic settings—and then taking them to Christ) so that I will be ready and prepared for him to minister to me, and answer the questions of my heart. This is my working definition of faith.

I mentioned above that I personally wrestle with many doubts. It’s an interesting dance, because while my doubts are a significant force, so are my remembrances of moments when I’ve felt God’s closeness and power, and had his (and her) Spirit testify truths to my heart. I am no longer uncomfortable with this dance, and no longer feel any fear about it either. I trust that things will shake out exactly how they are supposed to.

I choose God. I choose God every day and will continue to for as long as I have breath. Every time I choose God the doubts get a little weaker and the faith gets a little stronger. And as I grow in light I’m able to sit with greater paradox and bigger questions, all the while feeling more quiet in my heart than ever before. This is an indication to me that I am on the right path. 

I have also chosen commitment to the LDS Church. And I believe that as I continue to serve and keep my covenants that I will continue to receive the answers my soul needs. This happens as I retain the Spirit's closeness by choosing God.

Which leaves me with your last question. “What can a man do to help heal a woman’s heart?” Oh Peter. Thank you for that. Thank you for asking, and for asking with such sincerity. My advice to you would be this: Seek first to heal your own heart. 

The more you are healed, the more healing flows from you. As you get to know the Savior you will begin to understand more and more how healing works, and you will become a great conduit of his love. You will be able to shepherd women down their own paths of healing, and it will be so joyful. If you want to be more like Jesus—you can be! He will help you. You’ll just need to turn a few things over to him. Ask God where to start. I’m excited for you! This can be a beautiful process.

Once you've done it--come back and find me! I'd like to build together.

You know, that same woman who made the comment about rape came to another one of our performances, and there she made a beautiful comment about the opportunity that is in front of us as a people to truly move beyond all these historic and personal gendered wounds. She testified that we can (with Christ’s help) move forward into a brighter future for both men and women. It is my conviction too that we can do this, and we can do this together.

It is both my desire and my conviction that we do this. Because I think that this bright future might just be the essence and heart of Zion.

Thanks again for allowing me to write out some of my testimony for you, for coming to the show, and for taking the time to write me afterwards. I truly truly appreciate it.

With love,
Amber

P.S. YES. Lydia’s scene was terribly frightening. I procrastinated memorizing it for weeks. I’d have to say that Emma and Lydia’s scenes were the hardest for me, and I think this is because these two vignettes involved emotions that were most raw for me to sit with.


Monday, July 10, 2017

To Receive the Holy Spirit of Promise


This is a transcript of a talk I gave in my YSA ward on Sunday, July 9th, 2017. I was assigned to speak on David A. Bednar's 2010 talk, "Receive the Holy Ghost," but as I have recently been studying sanctification and spiritual rebirth, the first counselor in my bishopric kindly allowed me to marry the two topics.

And this is a slightly over-exposed photo I took of the Nærøyfjord. What does
this fjord have to do with the Holy Ghost? Not a single concrete thing.


“These four words—’Receive the Holy Ghost’—are not a passive pronouncement; rather, they constitute a priesthood injunction—an authoritative admonition to act and not simply to be acted upon.”

That’s David A. Bednar speaking in a 2010 General Conference address entitled, “Receive the Holy Ghost.” As I’ve contemplated on those four words I’ve asked myself, “Why is it important that I receive the Holy Ghost?” And I think there are a lot of really good answers, but the answer that was banging around in my head during the sacrament I think is really nicely contained in this verse in Doctrine and Covenants 88.

“Wherefore, I now send upon you another Comforter, even upon you my friends, that it may abide in your hearts, even the Holy Spirit of promise; which other Comforter is the same that I promised unto my disciples, as is recorded in the testimony of John… This Comforter is the promise which I give unto you of eternal life, even the glory of the celestial kingdom.” (vs. 3-4)

The Holy Spirit of Promise is one the Holy Ghost’s roles, one that we mostly talk about in reference to having your calling and election made sure, or being sealed in the temple. This verse, in Moses, also describes this role of the Holy Ghost’s. I really love this one. This is Moses 6:61.

“Therefore it is given to abide in you; the record of heaven; the Comforter; the peaceable things of immortal glory; the truth of all things; that which quickeneth all things, which maketh alive all things; that which knoweth all things, and hath all power according to wisdom, mercy, truth, justice, and judgment.”

David A. Bednar gave a general conference talk entitled, “That Ye May Be Born Again” several years ago about the parable of the pickle. You might remember that one. In it he parallels a pickle’s journey from a cucumber to a pickle with our journeys to become sanctified and to inherit eternal life. He calls it a process. In the end of the talk he bears a really emotional and riveting testimony about how necessary it is for each of us to go on that journey of sanctification.

So sanctification is what I’d like to discuss with you today in the time that I have.

I’ve been thinking a lot about promises over the last few weeks as I’ve been preparing to give this talk. I had a conversation with a friend a few weeks ago, and she used a phrase that I hadn’t heard before that I liked: the ‘terminal promise.’ After the conversation that phrase stuck with me and I wondered, “Wait a second, is there such a thing as a terminal promise?”

We know that we can sin and rebel against God and His plan for us, and thereby disqualify ourselves from inheriting promises. But aside from that, I know I’ve experienced things in my life where I have been very faithful, very obedient, and promises have seemed to escape me, like water dripping through my fingers. And I have labeled those things terminal promises. And what I have learned is that I have labeled them wrongly ‘terminal promises.’

I was in the cemetery last week, I went for a walk on Sunday and I took a moment and contemplated on what those tombstones signified. You know we have a lot of light and truth here in the Church. When we’re sealed in the temple, it’s not until death do you part, right? But the truth is that death does part people, at least temporarily. So is that a terminal promise? When you lose someone, and they’re gone from you? I tend to feel loss very profoundly. I am very affected by all kinds of loss. And sometimes the hurt and pain and grief is so overwhelming that not only do those promises feel terminal to me, but I am in so much pain that I cannot really bear to look into eternity.

Maybe you know what that feels like.

So I sat there in that cemetery and contemplated on how each one of those tombstones signified a heartbreak, not only for one person, but probably for a family. How it signified a loss. And I thought about the various losses in my life, and times where my promises dripped through my fingers like water. But that’s kind of the template isn’t it? The Fall is in a way, a terminal promise. And that’s why we have the Atonement, to take us out of that thing.

Sometimes the Lord makes us very very specific personal promises, and sometimes we experience the death of those promises as well. I think it’s really easy for us to assume, perhaps mistakenly, that that’s the end of that thing. There’s no way that God can make that better. There’s no way that God can bring that back.

When I find myself staring down the throat of my own terminal promises, I've learned to embrace a kind of humility that I didn’t know before, and acknowledge this scripture here. Doctrine and Covenants 88:68.

“Therefore, sanctify yourselves that your minds become single to God, and the days will come that you shall see him; for he will unveil his face unto you, and it shall be in his own time, and in his own way, and according to his own will.”

God is very, very good, and very, very powerful. And very creative. And he has a way to fulfill all of his promises. We just have to let him be in charge, and let him take the reigns.

This scripture of course is another verse about the sanctification process. As I’ve reflected on my own terminal promises, and the many terminal promises that seem to surround me here on this fallen globe, I’ve realized something, and I’d like to share it with you.

Joseph Smith saw God the Father. He saw God. I don’t know that I always embrace what that means. That there is a divine being who loves me, who loves us, who loves his children… and that Being appears to people. And we’re told in the scriptures that if we sanctify ourselves, a process that happens because of the companionship of the Holy Ghost, because we allow ourselves to receive the Holy Ghost, if we sanctify ourselves, he will unveil his face to us, in his own time, in his own way, and according to his own will.

That is not a terminal promise, and I can say that with such confidence and conviction.

One of my weaknesses is that I can often lose sight of things that are maybe of the most eternal import. I’ve certainly had moments where God has figuratively unveiled his face before me, where a problem is suddenly resolved and I’m blessed with this perspective that I didn’t have before, and I can see why I had to pass through what I passed through.

But the promise that one day God will unveil his face to me literally, I can’t really even verbalize it without being overcome with a kind of joy and gratitude that has to be divine. That is the promise that can get us through what we face here. That reunion.

I have this verse here, this is in Ether 12. Moroni’s talking about people who had really great faith, who had the veil parted for them in mortality, and this is what he writes:

“And there were many whose faith was so exceedingly strong, even before Christ came, who could not be kept from within the veil, but truly saw with their eyes the things which they had beheld with an eye of faith, and they were glad.” (vs. 19)

I feel like that’s the understatement of all scripture, “and they were glad.”

The last thing I want to talk about is something that I think often gets explored over this pulpit: Alma 32. We talk a lot about seeds, and nurturing them, and the end of Alma 32 frames this whole parable in a way that really surprised me when I noticed it for the first time.

So there’s been a lot of discussion about planting this seed, and what it means to discern light and truth, and how seeds eventually bear fruit. Here in verse 40 suddenly we go from talking about seeds, to talking about the tree of life.

“And thus, if ye will not nourish the word, looking forward with an eye of faith to the fruit thereof, ye can never pluck of the fruit of the tree of life. But if ye will nourish the word, yea, nourish the tree as it beginneth to grow, by your faith with great diligence, and with patience, looking forward to the fruit thereof, it shall take root; and behold it shall be a tree springing up unto everlasting life.” (vs. 40-41)

Lehi’s vision teaches us that the fruit of the tree of life is the greatest of all the gifts of God, which D&C 14 clarifies is eternal life. More than anything else my belief is that that is what the Holy Ghost can do for us. The Holy Ghost is with us throughout that process of planting seeds, and growing trees of life, plucking from trees of life the fruit of eternal life.

Yep. So I’m really grateful for that member of the Godhead. There it is again, right? It’s crazy. It’s totally crazy. Like, I, I dunno, this is genuine shock happening at the pulpit. We have a member of the Godhead who wants to companion us? All the time? And all we have to do is follow the commandments? Wow. That feels like a big deal to me. And the reason that that member of the Godhead wants to be with us is because he wants us to return to where we came from?

Why do we reject that?

For me, I reject it because of pain. Because it hurts sometimes. But I’ve rejected it before because I’m stubborn, because I’m prideful. Because I don’t like being directed, or being told what to do.

That’s really foolish. I’m going to go repent later today I think.

I want to bear my testimony to you that this Gospel is true, and that the fruit of that tree is really, really, really desirable. God is offering us the very best that he has, and so I think we should do everything in our power to receive the Holy Ghost. And I’d like to bear that testimony in the name of Jesus Christ, amen.

Wednesday, June 7, 2017

Mother Wove the Morning: A Performance

Next week some friends and sisters and I are performing a play called Mother Wove the Morning, written by Carol Lynn Pearson. Performances will be held at the amphitheater in the Canyon Glen Park in the Provo Canyon. They will begin at 7:30 pm on June 15, 16, and 17.

We would so love to share this story with you, particularly because it has woven itself into our hearts to the degree that it has. Mother Wove the Morning has been a heaven-sent avenue through which I've been able to learn more about my Mother in Heaven. More than anything, working on Mother Wove the Morning has helped me feel her love. A very tender answer to many many prayers.

You can see the trailer below. We'd love to see you there!



Sunday, April 9, 2017

Mãe Eva Mentora das Mulheres de Hoje: Uma Herança de Honra

This post is in Portuguese thanks to my gracious and kind friend, Anna Karol Fiahlo, who translated it. I spent a month in Portugal last December, and wanted to find a way to say obrigada to all of the beautiful people who took care of me out there. Sharing these inspired thoughts by Beverly Campbell seemed like the the right gesture.

"Eve" by Annie Henrie

Beverly Campbell foi diretora de Assuntos Internacionais da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, quando este assunto foi dado em 2 de abril de 1993 na 11ª conferência anual do Collegium Aesculapium em Salt Lake City, Utah. Este discurso é um resumo de seu livro, Eva e a escolha feita no Éden, que pode ser comprado aqui.

Poucos assuntos evocam mais imagens errôneas do que a de Eva, a mãe de todos os viventes. Porque os homens têm experiências diferentes que as mulheres, eles talvez não possam começar a entender o impacto que uma compreensão incorreta ou incompleta do assunto sobre Eva tem sobre as mulheres, sobre os homens e sobre a sociedade como um todo.

Alguns até podem se perguntar por que sugerimos Eva como mentora para a mulher de hoje e atribuir a ela uma herança de honra. Afinal de contas, suas escolhas não são responsáveis ​​pelo fato de que devemos enfrentar as dificuldades deste terrível estado terrestrial? Na entrada de Eva na Enciclopédia do Mormonismo, o qual tive o privilégio de escrever, o parágrafo principal diz o seguinte:

“Eva, primeira mulher de criação terrena, companheira de Adão, mãe e matriarca da raça humana, é honrada pelos Santos dos Últimos Dias como uma das mais importantes, justas e heroínas de toda a família humana. O dom supremo de Eva para a humanidade, a oportunidade de vida nesta terra, resultou de sua escolha para se tornar mortal.” (1)

Deixe-me dizer-lhe como cheguei a esta conclusão. Alguns anos atrás, tomei consciência de uma grande necessidade de mulheres SUD para reivindicar uma compreensão mais clara dos princípios de salvação do livre-arbítrio e escolha em suas vidas. Como a necessidade era tão grande, comecei a pesquisar para que eu pudesse escrever e falar com clareza sobre o assunto. No entanto, na busca por palavras para moldar mensagens que possam se erguer como um testamento do valor inato das mulheres e seus papéis predestinados como contribuintes valiosos e significativos para a sociedade, uma tendência alarmante se tornou manifesta. Em grande parte da literatura e na maioria das histórias referentes às mulheres eu encontrei uma subcorrente de desculpas, como se houvesse algo não muito "bom" sobre ser uma mulher.

Ao procurar sua fonte, cheguei a reconhecer que essa inquietação poderia ser atribuída aos relatos da criação e às caracterizações sempre prevalentes e sempre negativas, que geraram conceitos igualmente negativos daquela primeira mulher que cuidou do jardim no Éden. Para ilustrar, um artigo da Newsweek começa assim: "Os cientistas estão chamando-a de Eva, mas com relutância. O nome evoca muitas imagens erradas - a figura de fraqueza no Gênesis, a beleza de pele branca na arte da Renascença, o jardineiro voluptuoso no Paraíso Perdido que era tudo sobre "maciez" e "mansidão". (2)

As imagens e as ideias que seguem estes temas são partes de nossa cultura que nós os aceitamos e rimos deles, mal percebendo suas imprecisões ofensivas. Em uma recente revista de New York, um desenho animado retratava Eva e a serpente na cama, com a legenda. "Eu pensei que enquanto ele está lá escovando os dentes, seria uma boa oportunidade para nós conversarmos." (3) Engraçado? Não para as mulheres.

Em um discurso poderoso feito no Collegium Aesculapium em setembro de 1992, o Élder Russell M. Nelson ensinou que compreender os eventos que cercam a criação tem uma influência direta no nosso comportamento aqui e agora. (4) Da mesma forma, eu poderia acrescentar, compreende a verdade sobre a queda.

Um artigo de uma página inteira no The Washington Post começa com esta declaração: "A história de Eva no livro do Gênesis teve um impacto profundamente mais negativo sobre as mulheres ao longo da história do que qualquer outra história bíblica". (5)

É verdade que, legal e socialmente, as civilizações adotaram esta história errônea e mal compreendida de Eva para ajustar seus conceitos de como as mulheres são e devem ser tratadas. As religiões a usaram como racionalidade para o direito canônico e o posicionamento eclesiástico.

De todas as pessoas que precisam de uma plena compreensão do caráter e do papel de Eva, os homens e as mulheres SUD certamente precisam. Esta história é de tal importância que é o centro da nossa mais sagrada liturgia. Ela impacta significativamente como nós percebemos o nosso semelhante e, portanto, como nos comportamos uns com os outros. Ela forma e colore nossas expectativas. Limitações são impostas com base em premissas defeituosas. Forças são negadas e relacionamentos mal articulados diariamente devido às suposições errôneas.

Todos nós sabemos que mesmo o menor erro na base de um edifício pode derrubá-lo. Os erros na compreensão da história do jardim não são pequenos e, até serem corrigidos, a ignorância de sua presença continuará a se manifestar em consequências grosseiramente ampliadas ao nosso tecido social.

Todos nós sabemos que mesmo o menor erro na fundação de um edifício pode acabar por derrubá-lo. Os erros na compreensão da história do jardim não são pequenos e, até serem corrigidos, a ignorância de sua presença continuará a se manifestar em consequências grosseiramente ampliadas ao nosso tecido social.

É um absurdo! Como as ações de Mãe Eva, uma das maiores e mais nobres filhas de nosso Pai Celestial, têm sido tão mal compreendidas? Como poderia ter sido esquecido o seu dom final para a humanidade - a própria vida mortal? O que sabemos sobre esta primeira mulher da criação?

Infelizmente, não há muita informação em profundidade disponível sobre o assunto. Minha pesquisa revela, no entanto, que node correr da restauração profeta após profeta falou sobre este assunto. Além disso, os profetas do Livro de Mórmon acrescentaram uma significativa clareza nas escrituras, assim como as traduções reveladas por Joseph Smith no Livro de Moisés. Elas nos fornecem uma linha aqui, um preceito lá, um parágrafo, ou um capítulo contendo informações perspicazes sobre a mãe Eva que foi e é e o significado de seu papel.

Infelizmente, esta informação é muito difícil de descobrir. Também não é amplamente conhecido dos membros ou incorporado de forma eficaz no processo de ensino. A queda, mais frequentemente do que não quando apresentada, está manchada com conceitos seculares de culpa, vergonha e retribuição. A maioria das pessoas começa seu estudo da história do jardim sobrecarregado com a suposição de que esses conceitos seculares são válidos.

Em várias recentes pesquisas informais, homens dentro e fora da Igreja indicaram que eles percebem Eva como uma pecadora: o raciocínio é que Deus teria encontrado outro caminho menos duro para a humanidade reivindicar a mortalidade se Eva não tivesse comido do fruto.

Enquanto participava de reuniões na BYU recentemente, eu vi uma placa no campus que dizia, "Sidewalk Art Contest". A arte foi interessante e variada. A última entrada foi uma pintura de giz de Adão e Eva. Dois jovens sérios e enérgicos estavam desenhando a cobra com a língua lambendo em direção a Eva. Eva parecia muito envergonhada. Adão parecia triunfante. Eu disse: "Conte-me a história", eles disseram, "Você sabe a história." Eu disse: "Não, conte-me a história." Eles disseram: "Bem, você sabe, ela não deveria ter feito isso." Eu perguntei, "Tinha outro jeito então?" Eles responderam: “Ah, eu aposto que sim. Ela realmente estragou tudo, e todos nós estamos pagando o preço." Posso repetir, imagens e ideias têm consequências.

Em minha pesquisa, identifiquei 15 princípios ou conceitos que são mais frequentemente mal-entendidos. Cada um é fundamental e essencial para o nosso propósito e missão. Quando mal compreendidos, esses conceitos comprometem nossa identidade, nossas interrelações e nossa missão. Quando compreendidos corretamente, eles elevam, unem, iluminam, e trazem em foco claro nossas razões para esta existência terrena.

1. Na época da criação, Eva era uma participante ativa no Grande Plano de Salvação? Ela é agora?

Deixe-me resumir brevemente o status e contribuições de Eva como eles se relacionam com o passado e o presente. Élder Bruce R. McConkie, escritor e apóstolo, escreveu muito sobre Eva. Ele usa palavras de grande força e poder. "Não há nenhuma língua que possa dar crédito a nossa gloriosa mãe, Eva," (6) ele diz. "Eva, filha de Deus, um dos descendentes espirituais do Altíssimo Eloim, estava entre os nobres e grandes na existência pré-mortal, ela estava em estatura espiritual, em fé e devoção, conforme a lei eterna com Miguel". (grifo do autor). (7)

Ao falar de Cristo e Adão como amigos e parceiros na existência pré-mortal, o Élder McConkie afirma:

Cristo e Maria, Adão e Eva, Abraão e Sara, e uma multidão de homens poderosos e mulheres igualmente gloriosas compunham aquele grupo de "nobres e grandes", a quem o Senhor Jesus disse: "Desceremos, pois há espaço lá, e tomaremos esses materiais, e faremos uma terra sobre a qual estes possam habitar "(grifo do autor). (8)

A partir daí devemos concluir que o papel de Eva e os papéis de sua irmã eram vitais. Eles estavam ativos no planejamento e na preparação que moldaram nossa esfera e nossa mortalidade.

Além disso, o Presidente Ezra Taft Benson declarou: "No início, Deus colocou uma mulher em um papel de companheirismo com o sacerdócio ... Ela deveria agir em parceria com ele". (9)

Doutrina e Convênios 138:38-39 nos dá uma ideia de quem Eva se tornou. Em uma revelação, o presidente Joseph F. Smith vê reunidos no paraíso aqueles profetas que serão ministros de Cristo para os não iluminados dessa esfera. Ele relata: "Entre os grandes e poderosos que estavam reunidos nesta vasta congregação dos justos estavam o pai Adão ... e nossa gloriosa mãe Eva, com muitas de suas fiéis filhas que haviam vivido no decorrer  dos séculos".

O Profeta Joseph Smith tinha uma compreensão de quem Eva tinha se tornado. Zebedee Coltrin relata um incidente em que ele e Oliver Cowdery compartilhou uma visão com o Profeta:

Os céus se abriram gradualmente e viram um trono dourado, sobre uma base circular, algo parecido com um farol, e no trono havia dois personagens velhos, de cabelos brancos e vestidos com roupas brancas. Eram os dois espécimes mais bonitos e perfeitos da humanidade que ele já viu. Joseph disse; "Eles são nossos primeiros pais", Adão e Eva. (10)

Essas visões nos dizem muito sobre a justiça da ação de Eva e a aceitação de sua contribuição, pois essas visões foram de Eva depois de sua vida na Terra. Ela cumpriu gloriosamente sua importante tarefa. Exaltada, ela agora continua seu reinado, lado a lado com o poderoso Adão.

2. Qual termo define mais claramente Eva: "subordinada", ou "um poder igualitário”?

Essa mulher preeminente é a mesma de que se fala no Gênesis como uma "adjuntora" (11) para ele? A sociedade quer que creiamos que uma adjuntora é uma pessoa de menor estatura - um sujeito, um subordinado.

Um exame da própria palavra produz um significado completamente diferente. O dicionário de língua inglesa Oxford lista o seu significado como "mesmo com ou igual a". O texto hebraico original é ainda mais esclarecedor. A palavra que foi traduzida como "adjuntora" é uma combinação de duas palavras raiz: ezer e k'enegdo. (12)

A palavra ezer também combina duas raízes: o primeiro significa "resgatar" ou "salvar" ou "como um salvador", às vezes combinado com o conceito de majestade, e o outro significado "força" ou "ser forte".

A segunda palavra hebraica, k'enegdo, é identificada como significando "igual".

Suponhamos que todos nós, homens e mulheres, tivéssemos sido criados para ler Gênesis 2:18 como segue: " E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que lhe seja adequada." Certamente as atitudes, as leis e os costumes seriam diferentes, e as relações que Deus pretendia mais natural e facilmente existiriam.

Falei dessa noite por telefone com minha cunhada septuagenária, que recentemente voltou de uma missão. Poucos dias depois recebi uma carta, que dizia:

“Estou muito animada com o que você encontrou; especialmente com o significado da palavra "adjuntora" e a implicação que ela dá à posição de Eva. Eu gelei, sentindo realmente o sangue escorrer do meu rosto, maravilhada, com um sentimento de alegria que nunca esquecerei, mas chorando ao mesmo tempo! Eu me perguntava por que eu deveria sentir toda essa emoção. De    repente, esse pensamento me veio à mente claramente: "É verdade, eu sou quem sempre pensei que era!"

Acho que você vai encontrar esta emoção mesmo que ressoa nos corações da maioria das mulheres ao saber deste esclarecimento.

  3. A Queda foi preordenada, uma ordenança necessária? Ou havia outro meio?

Somos aconselhados pelos nossos profetas modernos que os três eventos mais importantes do tempo e da eternidade são a Criação, a Queda e a Expiação. Como Élder McConkie relata, essas são "as três coisas sem as quais nem todas as coisas desapareceriam, ou o propósito de toda a existência ficaria não existiria" (grifo do autor). (13)

Também nos é dito que esses eventos estão inseparavelmente entrelaçados, que a Expiação de Cristo através da qual a salvação vem é construída sobre o fundamento da Queda de Adão e Eva. Foi necessário que Adão e Eva e sua posteridade se tornassem sujeitos ao pecado, de modo que todos nós pudéssemos ter o privilégio de trabalhar nossa própria salvação.   

Que a queda foi predestinada não poderia ser afirmado mais claramente do que nestas palavras de Brigham Young: "O Senhor sabia que [Adão e Eva] fariam isso, e ele tinha projetado que eles deveriam". (14)

"Adão e Eva fizeram exatamente o que o Senhor pretendia que fizessem", escreveu Joseph Fielding Smith. "Se tivéssemos o registro original veríamos claramente o propósito da Queda e sua necessidade explicada". (16)

Simplesmente, "Queda" é um indicativo de condição e localização. Significa que Adão e Eva cruzaram a linha da imortalidade para a mortalidade. (16)

Como registrado por Bruce R. McConkie, "Adão, nosso pai e Eva, nossa mãe, devem obedecer. Devem cair. Devem tornar-se mortais. A morte deve entrar no mundo, não há outro caminho. Eles devem cair para que o homem exista." (17)

4. Com esse conhecimento, "Comer ou Não Comer" é um mandamento ambíguo, ou a oportunidade de escolher uma lei maior?

  Todos nós compreendemos que o chamado de Adão e Eva como os progenitores da raça humana não poderia ser realizado a menos que tivessem corpos mortais. Por que, então, o Senhor lhes ordenou que não comessem do fruto da árvore do bem e do mal, a porta da vida mortal?

Encontramos grande parte da resposta nos frequentes lembretes de nossos profetas de que deve haver oposição em todas as coisas. Leí nos diz porquê isso é primordial: "Se assim não fosse, meu primogênito no deserto, não haveria retidão nem iniquidade, nem santidade nem miséria, nem bem nem mal." (18).

Élder Boyd K. Packer observa que "havia muita coisa em questão para introduzir os homens na mortalidade pela força. [Tal ação] violaria a própria lei essencial ao plano". (19)

Na Pérola de Grande Valor lemos aquele maravilhoso sermão de Eva, em que ela fala da transgressão, não com vergonha, mas com louvor , dizendo: "Bendito seja o nome de Deus, pois, devido a minha transgressão, meus olhos estão abertos e nesta vida terei alegria; e novamente na carne verei a Deus. " (20)

Por causa dessas declarações, comecei a me perguntar se a palavra mandar usada nas histórias da Criação tinha a mesna raíz de mandamento usado nos Dez Mandamentos. Eu ouvi de uma perita hebraica,  Dr. Nehama Aschkenasy, falar sobre Eva. Eu telefonei para ela e perguntei se ela estava ciente de qualquer diferença na raiz dessas duas palavras. Ela concordou em pesquisá-las para mim. Posteriormente, o Dra. Aschkenasy me disse que para sua surpresa eles não eram os mesmos. Ela descobriu que mandar usado na história da Criação era de uma forma verbal diferente. Seu uso parece parecer indicar uma advertência forte, severa, talvez uma indicação da lei. O aviso era possivelmente de natureza temporária, o que implicava que em algum momento futuro, não especificado, poderia não se aplicar.

Enquanto pensava nisso, pensei na chamada de atenção que damos a nossos filhos pequenos que, nos seus ternos anos, devem ser protegidos quanto a assuntos que envolvem vida e morte ou ferimentos. Tal advertência poderia ser, "Não toque sob qualquer condição o fogão. Nunca atravesse a rua sozinha”. Queremos dizer que eles nunca vão atravessar a rua ou usar um fogão? Claro que não! O que pretendemos é que até que eles tenham aprendido o suficiente para tomar as decisões certas, a advertência, ou mesmo a proibição, se aplica. No entanto, também sabemos que, à medida que nossos filhos estão preparados eles devem sair para o mundo e fazer escolhas.

Se Deus quisesse que houvesse um tempo em que tal lei não estivesse em vigor, isso clarificaria o relato em Moisés em que Adão e Eva são aconselhados por Ele que, mesmo assim, poderiam escolher por si mesmos.

Esse conceito parece era conhecido na Igreja primitiva, pois no evangelho gnóstico de Felipe lemos: "Este jardim [é o lugar] onde eles me dirão ... coma isto ou não coma aquilo, como você deseja. " (21)

Élder Bruce R. McConkie aconselha-nos que, em tudo isso, Adão e Eva simplesmente "obedeceram à lei que lhes permitiu tornararem-se seres mortais, e este curso de conduta é chamado de comer o fruto proibido".

5. Eva foi ativa ou passivamente incluída nos discursos de Deus para Adam no jardim?

Ao lermos a escritura em que Adão é dirigido ao Senhor, muitos presumem que Ele fala somente para ou do homem, Adão. Tal suposição levaria à crença de que Eva permaneceu ao longo de todo o período do jardim sem uma voz ou um papel significativo.

O Presidente Spencer W. Kimball falou disso referindo-se à frase "E eu, Deus, criei o homem ... e eu, Deus, os abençoei" (grifo nosso). (23) Ele aponta que nesta frase "o homem" está sempre no plural e era plural desde o início. (24)
    
Em Moisés 6: 9 lemos: "À imagem de seu próprio corpo, homem e mulher, criou-os; e abençoou-os e chamou seu nome Adão" (grifo nosso).

O Élder McConkie esclarece isso, explicando que "ambos os nomes significam a mesma coisa ... ambos são chamados Adão". Ele explica ainda que "em todo o Livro de Mórmon, a transgressão é quase referindo-se a Adão, sugerindo que Adão foi usado no sentido hebraico para designar o primeiro casal como uma unidade. Assim o nome de Adão e Eva como uma parceria unida é Adão”. (25) Pense como esse esclarecimento muda toda a dinâmica da história.

6. A Mãe de todos os viventes entendeu sua missão?

Para começar, o nome de Eva era um título conferido a ela pelo próprio Deus, cujo título significava "a mãe de todos os viventes". (26) Adão não nomeou Eva, mas simplesmente a chamou pelo seu título correto. Com esse título cuidadosamente definido, ela sabia de sua predestinação. Como Deus concedeu este título em Eva, também nos é dito que ele deu conhecimento sobre Adão e Eva também. Deus o Pai, tomou sobre si a responsabilidade de ser o provedor de grande parte desse conhecimento. Ele costumava caminhar e conversar com eles no jardim.

As pessoas costumam dizer que Eva não sabia de nada, que ela era "cega". Realmente agora, Deus foi ao jardim para falar com seus filhos sobre o que? Poderia cada reunião ter sido menos de um tempo de instrução e aprendizagem? Todo o propósito da experiência do jardim era ser uma escola, um lugar de preparação onde o conhecimento e a sabedoria fossem adquiridos. Deus pretendia que o jardim não fosse mais do que uma parada provisória, ou então o Plano de Salvação teria sido frustrado.

Em Doutrina e Convênios 93:13, nos é dito que Jesus foi ensinado, que ele continou de "graça em graça" até que ele recebeu um perfeito conhecimento de sua missão. Será que Eva e Adão, cuja missão era a pedra angular desse grande plano de salvação, foram menos amorosa e cuidadosamente preparados?

Intitulada por Deus como a mãe de todos os viventes que deu o fôlego da vida (a tradução para o plural da palavra é uma correção feita pelo próprio Joseph Smith) (27), tornou-se claro que ela, Eva, tinha que fazer a escolha. O sucesso desta missão caiu sobre seus ombros. Ela deve ser a primeira a exercer o livre-arbítrio.

7. Eva foi enganada? Se sim, pelo o que? Por uma mensagem ou por um mensageiro?
    
Orson Pratt, Hugh Nibley e outros sugeriram que havia também outros seres no jardim, e que Adão e Eva foram tentados em númeras ocasiões, não apenas pela serpente, mas por outros seres que tinham sido anjos da luz e da verdade na existência pré-mortal e então se tornaram seguidores de Satanás. Na versão hebraica da história do jardim, o tentador não é uma cobra, mas um anjo de luz que diz que está autorizado por Deus a fazer essa coisa. Uma coisa que sabemos é que Satanás esteve presente e tentou frustrar a missão de todos os participantes principais no grande plano de salvação que eles têm procurado cumprir suas missões divinas.

A resposta imediata de Eve, depois de comer do fruto, dá um relato mais lúcido de sua compreensão. Em nossa liturgia mais sagrada, Eva afirma que é melhor para a humanidade suportar tristeza (dificuldade) para conhecer a alegria.

É somente então que Eva nos diz pelo que ela foi enganada: ela não foi enganada pela mensagem, mas apenas pela identidade do mensageiro. Ela mais tarde o identifica como Satanás.
Esta seqüência bíblica acrescenta credibilidade à proposição de que Eva tinha mantido o conhecimento do Plano, sua correção e suas conseqüências, mesmo depois que o véu da mortalidade tinha sido desenhado.

Nibley elogia a ação de Eva ao escrever: "Ela toma a iniciativa, buscando a luz e o conhecimento cada vez maiores, enquanto Adão cautelosamente retém ... É ela quem percebe e aponta para Adão que eles fizeram a coisa certa depois de tudo". (28)

Depois de longas discussões sobre esse ponto crucial, surge uma pergunta: Eva comeu do fruto com o entendimento de que ela devia fazê-lo para inaugurar a vida mortal - ou ela foi enganada? Minha estimada colega, Clare Hardy Johnson, me enviou uma epístola poderosa e convincente, que eu cito em parte:

“Sugerir que Eva agiu por ignorância, por impulso, por motivos mesquinhos ou aceitou realmente a meia-verdade de Satanás (você certamente não morrerá) delimita o livre-arbítrio dela. É sugerir que Eva tomou este passo momentâneo para a humanidade sem conhecimento e julgamento adequado, que ela foi enganada, que ela conseguiu, apesar da sua tolice.
Seu conhecimento é negado, sua sabedoria ignorada, seu altruísmo rejeitado, sua fidelidade impugnada, e sua coragem zombada. É sugerir que a passagem da humanidade para a mortalidade não foi o resultado da escolha livre e informada de um pai nobre, mas um afortunado acidente”.

8. "Para que não morrais" - Uma ameaça física ou espiritual?

Certamente, não podemos acreditar que Gênesis ensina que a morte física é uma punição para o pecado ou que é o grande desafio desta esfera mortal, uma vez que tal morte apenas nos oferece a transição necessária para a vida eterna. De fato. O único propósito de colocar "querubins e uma espada flamejante" é "manter o caminho da árvore da vida" que o homem não viverá para sempre em seus pecados.

Julian, um iluminado bispo católico que vive e escreve em Roma no início do século 400 d.C, procura convencer seus contemporâneos, que acreditam que a morte física é um castigo provocado pela transgressão de Adão, que tal não é o caso. Ele escreve com grande fervor sobre o assunto, afirmando que a morte física é certamente um processo natural que nada tem a ver com a escolha humana - e certamente não tem nada a ver com o pecado "original". Enquanto estamos indefesos perante a morte física, ele observa que a morte espiritual é uma questão de escolha. É o nosso livre-arbítrio que nos envolve na esfera do voluntário e as múltiplas possibilidades disponíveis para a escolha individual.

Concluiu que embora a morte seja necessária e universal, cada um de nós tem os meios - na verdade, a responsabilidade - de escolher a resposta que tomamos para nossa condição mortal. Cada um de nós tem em nossas mãos o nosso destino espiritual, cujo destino depende das escolhas que fazemos. (29)

Essa escolha, semelhante à grande escolha oferecida no Concílio do Céu, deve ser feita! Adão e Eva poderiam ficar no jardim, viver em paz e tranquilidade, e não conhecerem nem o bem nem o mal - ou poderiam entrar no mundo triste e solitário e permitir que todos aqueles espíritos que escolherem entrar nesse mundo para trabalharem em sua própria salvação.

Você pode imaginar como você e eu estávamos interessados ​​no resultado deste grande drama? De fato, como todo o céu estava interessado?

Obviamente então, a morte física não era a fricção; era a morte espiritual que era condenatória. Eve estava ciente disso. É neste momento em nossa sagrada liturgia que ela chora do fundo de sua alma, procurando saber se não há outro meio. Esse clamor é um clamor de que ouvimos mais tarde de nosso Senhor Jesus Cristo quando ele se depara com seu ato de sacrifício expiatório?

Certamente o clamor de Eva, assim como o clamor do Salvador, não foi para o seu tentador, mas para o seu Deus.

9. "Me enganou" é como usado neste texto como uma palavra negativa ou positiva?

Perguntando-me como esta magnífica mulher a quem eu reverencio tão profundamente poderia ter sido "enganada", cheguei a pensar que algum significado verdadeiro da palavrafoi perdido nas traduções. Mais uma vez falei com o Dra. Aschkenasy, que explicou que a palavra hebraica usada na história de Gênesis, que veio a ser interpretada como "enganada", é uma forma rara de verbo de profundidade e riqueza incomuns. Como é uma forma em desuso, é quase impossível de traduzir. "É fácil dizer que indica uma intensa experiência de vários níveis que evoca grande trauma emocional, psicológico e / ou espiritual".

A Dra. Aschkenasy escreve sobre isso, afirmando que o uso dessa palavra na narrativa bíblica "deixa claro que Eva foi motivada por um conjunto complexo de pulsões internas, ancoradas não apenas em seu físico, mas também em sua natureza intelectual e espiritual". (30)

Posteriormente ela também sugere que, por causa dessa intensa experiência de vários níveis, Eva é levada a recuar, reavaliar e ponderar sobre a árvore do conhecimento do bem e do mal.

Nós recebemos algumas informações sobre o processo de pensamento de Eva no versículo seguinte do texto bíblico, que indica que essa troca (ou série de trocas) evocou em Eva uma visão do alcance total da experiência humana. "E quando a mulher viu que a árvore servia para alimento e que se tornara agradável aos olhos e uma árvore desejável para torná-la sábia, tomou de seu fruto e comeu”. (grifo nosso). (31) (Note que o termo viu é usado – não pensou ou acreditou.) Eva reconhece que os dons oferecidos pelo fruto simbólico eram dons essenciais da vida mortal.

Muitos bíblicos estudiosos acreditam que um longo período de tempo passou como Eva, juntamente com Adão, avaliou e reavaliou os dois mandamentos conflitantes que forçaram tal uso considerado do livre-arbítrio deles. Poderia ter sido mais de uma década, um século ou mais? Certamente, deve ter havido uma súplica por Deus por Adão e Eva, conjunta e separadamente, quanto à escolha certa. A promessa de Deus para eles era menor do que é para nós? "Portanto, pedi e recebereis; batei e ser-vos-á aberto; porque aquele que pede, recebe; e ao que bate, ser-lhe-á aberto." (32) Eles também estavam aprendendo linha por linha, preceito sobre preceito.

Quando Deus está se dirigindo a Enoque no relato de Moisés, ele afirma claramente: " u dei-lhes seu conhecimento no dia em que os criei; e no Jardim do Éden dei ao homem seu arbítrio ". (33)

A tradição antiga nos diz que é Eva "que engana a serpente e o engana com sua própria inteligência". Esta tradição indica que Eva estava ciente de que significaria comer do fruto. (34) Devemos olhar em seguida a Moisés 4:6 se quisermos compreender os múltiplos níveis desta história. Esta profunda escritura restaurada esclarece todo o mistério, apaga toda a culpa e coloca a questão no contexto apropriado:

   • E ele (a serpente) também procurou seduzir Eva,

   • porque não conhecia a mente de Deus,

   • por isso procurou destruir o mundo "(grifo do autor).

Poderia qualquer coisa ser dito mais claramente? Satanás não sabe, nunca soube, e nunca conhecerá a plena mente de Deus, pois ele, Lúcifer, foi expulso do Conselho do Céu. Ele tentou trapacear ou enganar Eva para destruir o mundo. Em vez disso, o adversário tornou-se o catalisador que causou a reavaliação significativa de Eva nessa missão e trouxe seus objetivos e a necessidade em um foco mais compreensível. Eva viu que era bom.

Você consegue imaginar a raiva de Satanás quando descobriu que ele, e não Eva, que tinha sido enganado, que ele era apenas uma ferramenta usada para desencadear o plano ou mortalidade?

Hugh Nibley postula que, desde então, Satanás "tinha isso para as mulheres". Ela frustrou seu plano de destruição e ela o reconheceu. Ele ainda sugere que este rancor, que às vezes se enfurece como uma batalha de campo, continua hoje. (35) Isso poderia ajudar a explicar por que, através dos tempos, houve tanta necessidade entre os não-iluminados para subjugar as mulheres? A sociedade muitas vezes necessita de pequenos impulsos. Domíno e poder são inebriantes por si só.

10. O "osso do meu osso" significa que veio da costela de Adão?

Talvez o mais familiar de todas as histórias bíblicas que têm a ver com Adão e Eva é a história da mulher que vem da "costela de Adão". É sobre essa crença (que Eva foi o produto de "peças sobressalentes") que o Talmud paira sua afirmação de que Eva é inferior e sujeita a Adão. O mesmo padrão existe hoje. Nossos profetas dos tempos modernos têm falado claramente e positivamente para colocar isso em perspectiva. O Presidente Spencer W. Kimball afirmou que o relato da costela "é, é claro, figurativo" (ênfase adicionada) (36).

Vamos olhar para essa parte da história mais uma vez para ver se podemos ganhar um pouco mais de introspecção em sua verdadeira significância e significado.

O relato de Gênesis começa dizendo que "o Senhor causou um sono profundo sobre Adão." Depois da criação de Eva, Adão então está acordado. Nos evangelhos gnósticos, Eva, ou o poder espiritual feminino que representava, é retratada como a fonte desse acordar, que é um despertar espiritual para a humanidade.

Reconhecendo que os evangelhos gnósticos refletem apenas pedaços de verdade seletiva, no entanto é informativo ver o tema, prevalente em grande parte dos Apócrifos, de Eva trazendo luz e despertando mente e espírito. (37)

O Livro Secreto de João sugere que Adão "de repente desperta para a presença do espírito adormecido profundamente", que é incorporado na presença recém-física de Eva. Este livro conclui Eva como, "a perfeita inteligência primal, chama a Adão [e, efetivamente, a você e eu, os leitores] para acordar, reconhecê-la e assim receber iluminação espiritual".

Isso não é evocativo, e não dá uma nova visão para a nossa própria liturgia sagrada?

Adão e Eva entram na mortalidade com os olhos abertos

Encontramos Adão e Eva como seres mortais,  seus corpos tendo experimentado uma mudança poderosa: "Depois do Queda ... o fruto proibido teve o poder de criar sangue e ... a mortalidade tomou o lugar da imortalidade". (39) O primeiro verso bíblico relacionado com a percepção de Adão e Eva sobre a mudança de sua condição afirma que " Então foram abertos os olhos de ambos, e souberam que estavam nus". (40)

Nu, como usado aqui, tem uma conotação adicional. Refere-se também à vulnerabilidade intelectual, à inocência, à inexperiência deles numa esfera terrena e a susceptibilidade deles a tentação.

Quando Deus vem para andar no jardim, Adão e Eva se escondem. Quando Deus lhes pergunta o que eles fizeram, Adão pensa como algo separado e começa a explicar suas ações, focalizando a atenção no outro. Ele diz ao Senhor que o fruto foi oferecido pela mulher, que " ordenaste que permanecesse comigo ". (41)

Aschkenasy explica que na linguagem original esta resposta usa o verbo do tronco ntn, o que implica que suas ações eram bastante mecânicas, parecendo dizer: "Eu fiz o que eu deveria fazer". Eva, quando questionada pelo Senhor o que ela fez, "por outro lado, usa o verbo incomum, ricamente connotativo [enganou] do tronco ns". Com o uso deste verbo, o Senhor entenderia claramente seu processo de pensamento. Aschkenasy indica ainda que o uso de tal verbo indicaria uma pessoa extraordinariamente inteligente que tem um vocabulário rico e uma que está acostumada a desempenhar um papel central. (42)

11. Depois da Queda Deus castiga quem?

À medida que o diálogo continua, aprendemos não apenas sobre Adão e Eva, mas também sobre a natureza de Deus. Nós somos mostrados um Pai amável e amoroso que primeiro procura proteger seus filhos e então começa a ensinar, lembrar e admoestar com instruções, que eu suspeito são semelhantes aos que recebemos quando deixamos nosso lar celestial para começar nossa permanência aqui.

O primeiro ato de Deus é Conceder Punição ao Adversário
" Por teres feito isso, maldita serás sobre todo gado e toda besta do campo; sobre teu ventre andarás e pó comerás todos os dias de tua vida". (43). Nibley acredita que a punição foi porque Satanás tentou inserir-se no Plano e assim ganhar autoridade sobre as mentes, almas e corpos do homem mortal.

O próximo ato de Deus é abençoar Eva e sua posteridade
Como sabemos, escolha e livre-arbítrio são a chave para o plano de Deus para o segundo estado do homem. Satanás fora do Plano iria contrariar este exercício do livre-arbítrio, de modo que o Pai se prepara para colocar uma armadura protetora em Eva e em toda a sua posteridade. “E porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente; e ele ferirá tua cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. (44)

Que conceito libertador e enobrecedor é este. Por caisa disso, nós, todos nós, viemos a esta vida terrena com uma proteção contra o mal e todas as coisas más e um aborreciemnto natural. Satanás tem apenas o controle sobre nós se o permitimos. Com esse aborrecimento natural para abraçar o mal, o livre-arbítrio reina mais uma vez. É nossa escolha, não dele, que Satanás entra em nossas vidas. A humanidade nasce na mortalidade com um corpo mortal, sujeitopaixões, desejos e tentações mortais. No entanto, a humanidade não nasce em pecado nem ama o pecado.

12. Eva e sua posteridade feminina amaldiçoada?

A filha e o filho de Deus fizeram o que tinha que ser feito: eles usaram o livre-arbítrio para entrar na mortalidade "para que os homens existissem". Eles estão agora embarcando em uma jornada extraordinariamente difícil, repleta de provações e perigos, uma vida regida pelas leis naturais da esfera em que eles agora habitam e de que eles têm pouco conhecimento. Antes de partir do Eden paradisíaco, um Pai preocupado aconselha e ensina seus amados filhos sobre os desafios e realidades que seus corpos recém-mortais enfrentarão em uma existência mortal.

Deus diz a Eva o que ela experimentará quando ela abraçar seu destino para ser a mãe de todos os viventes e como ela cumpre com sua ordem para multiplicar e reabastecer a Terra. (Esses ensinamentos foram certamente significados como instrução para todas as filhas de Eva que a seguirão).

A linguagem do Pai parece muito dura: "Multiplicarei grandemente tua dor e tua concepção. Com dor darás à luz filhos (…)." (45) (Note que ele não diz na tua concepção mas e tua concepção, uma bênção que pode haver muitas crianças.)

A palavra hebraica para "dor" é astav, que significa "trabalhar", "suar" ou "fazer algo muito difícil". (46) Deus não quis dizer que o parto seria motive para tristeza. O que Deus parece estar alertando Eva é que na mortalidade o parto será muito difícil; que no parto ela vai suar e labutar e haverá dor. Multiplicar não significa adicionar ou aumentar, nesse contexto, significa repetir vez após vez, como dizer palavras múltiplas em orações repetitivas. (47)

O Pai não está amaldiçoando ou fazendo com que a dor seja infligida a Eva; Ele está alertando-a de que seu corpo recém-mortal experimentará dor no processo de parto, uma dor que vai e vem e se repete muitas vezes. Ele também está aconselhando sobre a necessidade deste tipo particular de trabalho de parto como as crianças nascem nesta esfera?

Como médicos, você pode estar ciente de um artigo que apareceu no Scientific American intitulado "The Stress of Being Born". (48) Ele aponta que o aspecto de “recuperação do stress” do trabalho de parto (dores de parto que ocorrem, cessam e ocorrem inúmeras vezes) é a chave para uma criança saudável. Durante o processo de nascimento, essa "recuperação do stress” empurrando o feto através do canal de nascimento provoca a produção de níveis elevados de adrenalina e noradrenalina. É importante para o feto passer por stress deste tipo ao nascer, pois assim o nível de catecolamina possa ser elevado suficientemente para aumentar a capacidade do recém-nascido para sobreviver fora do útero. O artigo indica que as crianças que não experimentam este tipo de nascimento estão em disvantagem.
Nessa luz, o trabalho (dor) no parto deve ser visto como essencial para a vida saudável. Na realidade, tal trabalho é uma bênção, não uma maldição.

"Teu desejo será para o teu marido" é acoplado com o conceito de ter filhos. Eu acho essa promessa de ser pesada consideravelmente na coluna da bênção. Quão difícil seria para uma mulher suportar e criar filhos neste mundo solitário e triste se seu desejo não fosse o mesmo que seu marido.
Como parte dessa mesma declaração bíblica, somos informados de que "ele governará sobre ti". A picada é tirada de tal pronunciamento pelas palavras clarificadoras de nosso amado Profeta Spencer W. Kimball: "Eu tenho uma pergunta sobre a palavra 'regra'. Ela dá a impressão errada: prefiro usar a palavra "presidir" porque é isso que ele faz. Um marido justo preside a sua esposa e família". (49) Um marido injusto não tem nenhum chamado nessa autoridade espiritual.

13. Que emoções Adão e Eva sentiram quando reconheceram sua mortalidade?
     

Suas declarações em Moisés 5: 10-11 refletem pura alegria:

“E naquele dia Adão bendisse a Deus e ficou pleno; e começou a profetizar concernente a todas as famílias da Terra, dizendo: Bendito seja o nome de Deus, pois, devido a minha transgressão, meus olhos estão abertos e nesta vida terei alegria; e novamente na carne verei a Deus.

E Eva, sua mulher, ouviu todas essas coisas e alegrou-se, dizendo: Se não fosse por nossa transgressão, jamais teríamos tido semente e jamais teríamos conhecido o bem e o mal e a alegria de nossa redenção e a vida eterna que Deus concede a todos os obedientes.”

Como o Presidente J. Reuben Clark declarou: "Eles (Adão e Eva) reconhecem a grande bênção da mortalidade - que é nessa esfera que cumprirão a medida a criação. Eles estão felizes!" (50)

"Mãe Eva alegra-se que a Queda tenha ocorrido e que o Plano de Salvação está progredindo de maneira preordenada” lembra o Élder Bruce R. McConkie ao pronunciá-la "uma das declarações doutrinárias mais profundas de todos os tempos" (51).


Ambos Adão e Eva ouviram a voz do Senhor e ambos foram ordenados a adorar e servir o seu criador. " And Adam and Eve blessed the name of God, and they made all things known unto their sons and their daughters.” (52)

Sem estar no Éden, onde o nome Adão era inclusivo, a linguagem neste relato toma cuidado para identificar Eva como uma plena parceira participante es incluir a menção de filhas, bem como filhos, a quem Adão e Eva fizeram todas as coisas conhecidas. Como o Élder McConkie diz: "Deus queria que estivéssemos cientes de que tudo o que aconteceu foi uma ação conjunta que levou em consideração tanto Adão como Eva".

Além disso, somos lembrados no relato de Moisés de que Adão e Eva não cessaram de invocar Deus. Por que? Porque a oração é a âncora até o Pai.


14. Houve uma cerimônia de investidura no jardim?

Muitos estudiosos hebreus afirmam que "osso dos meus ossos e carne da minha carne" é uma antiga promessa da aliança. Estas são palavras hebraicas que simbolizam poder e fraqueza. (Em essência, é um voto de casamento.) Parece que Adão e Eva estão se comprometendo a ser unidos para melhor ou pior. Não podemos questionar "que Adão e Eva uniram-se em casamento por o tempo e por toda a eternidade pelo poder eterno do sacerdócio ", aconselha o Élder Russell M. Nelson. (53)

Deus também, naquele tempo, proveu um escudo: a roupa do santo sacerdócio para protegê-los contra o mal. Um dos versos mais evocativos de Gênesis é apenas uma frase longa que mostra claramente a natureza compassiva do amor de Deus por Adão e Eva e, subsequentemente, por todos os seus filhos: “E fez o Senhor Deus para Adão e para sua mulher túnicas de peles, e os vestiu.” (54).
Imagine, as roupas nobres do santo sacerdócio, trabalhadas pela mão de Deus, colocadas sobre o seu Adão e Eva escolhidos para que possam ser devidamente protegidos durante toda a sua estada aqui na terra. Que grande expressão de amor infinito!

O mundo faz uma pausa para assistir às cerimônias de investidura de reis e rainhas, papas e juízes da Suprema Corte. No entanto, essas cerimônias mundanas certamente tornam-se pálidas ao lado desse evento glorioso. Você não acha que os anjos no céu pararam para assistir e que coros celestiais cantaram quando essas vestes protetoras do sacerdócio real foram colocadas em Adão e Eva por um Pai amoroso?

O significado desta investidura não deve ser esquecido. Muitas vezes deve ser lembrada em nossas mentes, pois o Senhor oferece hoje a mesma proteção divina a cada homem e mulher que entra no templo para reivindicar as bênçãos da investidura.
                                                                                            
15. A "Batalha dos Sexos" é a guerra de Satanás?

Ao longo de toda a história do jardim, descobrimos que um elemento consistente nas tentativas de Satanás para frustrar os desígnios de Deus é o seu desejo de desfazer o equilíbrio eterno, vital e delicado das relações homem-mulher.

Se ele (Satanás) pode fazer homens e mulheres se verem uns aos outros, não como parceiros capacitadores, mas como indivíduos que são de valor desigual ou concorrentes, cobiçando dons que o outro tem, ele pode causar grande dor e angústia. Ele pode distorcer os conceitos de deidade, poderes espirituais e sacerdócio e, assim, distorcer a resposta que damos uns aos outros.

Como homens e mulheres, precisamos reconhecer e validar os papéis primários e muitos dos papéis das mulheres, bem como dos homens. Devemos nos esforçar para ver que as oportunidades são providenciadas e que a igualdade transborda. A maternidade e aquelas mulheres que se sacrificam por ela, devem ser elevadas na sociedade acima de outras profissões na vida. Há muitas ocasiões para nossas vidas. Escolha intelectual, espiritual ou de carreira das mulheres e o direito e necessidade de fazer essas escolhas nas ocasiões apropriadas deve ser fomentado, respeitado e valorizado.
Satanás sabe que o casamento celestial (eterno) é um princípio básico no qual todas as promessas eternas dependem e que sua destruição é a única maneira pela qual ele pode verdadeiramente frustrar o propósito do Pai.

Esse princípio não mudou desde a criação da Terra; Hoje Satanás parece estar fazendo grandes progressos nesta batalha para separar homem e mulher. Ele tem sido muito bem-sucedido em fazer com que os indivíduos deem maior importância à sua separação do que à sua união. Necessidades e desejos individuais, ao invés do bem-estar combinado do casal, muitas vezes não parecem ser primordiais na vida contemporânea. Devido a isso, muitos relacionamentos não vêm à fruição. Devido a isso, muitos casamentos não são capazes de perseverar até o fim.

CONCLUSÃO              

Para terminar, voltemos à possibilidade de que as imagens e as ideias tenham consequências. Percepções errôneas sobre a natureza e o papel de qualquer um dos personagens principais em qualquer um dos três eventos em que o grande plano de salvação repousa - a Criação, a Queda ou a Expiação - distorceria e semearia confusão e discórdia.

Os erros na história do jardim têm sido uma fonte de confusão real e causaram um uso indevido significativo da lei e da autoridade. Ao longo dos tempos, as expectativas foram distorcidas, as forças e fraquezas foram mal interpretadas, os papéis foram desfocados ou mal definidos e os talentos foram desperdiçados. Muitos estão sendo enganados e estão buscando respostas nos lugares errados para as perguntas erradas.

Uma revisão dos 15 conceitos específicos discutidos anteriormente são os seguintess:

1. Eva e suas irmãs foram participantes ativas no projeto e na execução do plano de criação.

2. O papel de Eva é como "um poder igualitário".

3. A Queda foi preordenada. Não havia outro meio.

4. Comer do fruto foi em resposta à lei maior.

5. Quando o termo Adão é usado em Gênesis e nas escrituras restauradas referem-se a
    "eles" - Adão e Eva juntos.

6. Deus andou e conversou com Eva no jardim para prepará-la para sua missão.

7. “ Enganou” como usado em Gênesis é uma palavra ricamente positiva e descritiva.

8. Eva foi enganada pela identificação do mensageiro, não da mensagem.

9. A morte que temos de temer é uma morte espiritual.

10. Eva foi criada espiritual e fisicamente da mesma maneira como foi Adão.

11. Deus amaldiçoa Satanás por sua tentativa de se inserir no grande plano.

12. Eva, Adão e sua posteridade não são amaldiçoados.

13. Eva e Adão expressaram alegria quando entraram na mortalidade.

14. Deus criou e colocou em seu amado filho e filha as vestes do anto sacerdócio.
     
15. Satanás é um arquiteto-chave da batalha dos sexos a qual pode frustrar a obra do Senhor.

Então qual é a mensagem da história do jardim? Toda a história da mãe Eva, a experiência do jardim e tudo o que aconteceu é uma história de livre-arbítrio exercido: de escolha corajosa. John A. Widtsoe aconselha que, com "pleno conhecimento do propósito do plano de salvação e a razão de colocar Adão e Eva na Terra, a aparente contradição na história da “queda” desaparece. Em vez da lei do livre-arbítrio, ou escolha individual, aparece visão distinta.” (55)

Widtsoe regozija-se com isso, ao dizer: "É um pensamento emocionante que Adão e Eva não foram forçados a iniciar a obra de Deus na Terra. Eles escolheram fazê-lo, pelo exercício do seu livre-arbítrio." É a lição para todos os seus filhos: busquem a verdade, escolham com sabedoria e carreguem a responsabilidade por nossos atos.” (56)

A história do jardim foi projetada para esclarecer o dilema e escolha que todos enfrentamos na vida pré-terrena e que enfrntaremos na mortalidade. Cada um de nós, sozinhos e por nós mesmos, tomou a decisão de renunciar à segurança estática e abraçar a promessa de um corpo terreno com todos os seus riscos. Optamos por experimentar dor, culpa, decepção e morte temporal, para que possamos cumprir nosso potencial de nos tornarmos como os deuses. Para fazer isso, tínhamos que estar em posição de enfrentar o mal diretamente e sozinhos sem a presença de Deus.

A mensagem do evangelho restaurado quando relacionada com a doutrina da Queda é que a Queda foi planejada para isso. É a maior lei. Nossos primeiros pais escolheram sabiamente. Seu ato permitiu à humanidade entrar na mortalidade e agarrar-se à esperança da vida eterna.

A promessa dada a cada um de nós e reforçada pela história do jardim é que se pedirmos e dermos ouvidos, Deus nos aconselhará e nos abençoará e nos verá com segurança e alegria durante este tempo de mortalidade. Devemos corajosamente buscar a verdade e agir sobre essas verdades, qualquer que seja o custo, pois essa é a nossa missão preordenada. O melhor deve ser escolhido seja por lei ou outra coisa!

Mãe Eva concedeu sobre suas filhas e sobre seus filhos uma herança de honra, pois ela agiu com sabedoria, amor e sacrifício altruísta.




Bibliografia

1. Encyclopedia of Mormonism, (Macmillan Publishing Company, 1992), 2:475.
2. "The Search for Adam and Eve," Newsweek, 11 January 1988.
3. New Yorker, April 1993.
4. Russell M. Nelson, "Environmental Health Problems-the Personal Environment. The Word of
    Wisdom" (speech presented at the semiannual meeting of Collegium Aesculapium, Jackson Hole, Wyoming, September 1992).       
5. Pamela Milne, "Genesis from Eve's Point of View," The Washington Post, 26 March 1989.
6. Bruce R, McConkie, "Eve and the Fall," Woman, (Salt Lake City: Deseret Book, 1979), p. 69.
7. Idem., p. 67.
8. Idem., p. 59.
9. Ezra Taft Benson, "To the Elect Women of the Kingdom of God," Woman, (Salt Lake City: Deseret Book,
    1979), p. 69.
10. Andrew Ehat and Lyndon Cook, comps., The Words of Joseph Smith, vol. 6, (Provo, Brigham Young University, 1980).
11. Gênesis 2:18
12. R. David Friedman, "Woman, a Power Equal to Man, " Biblical Archeological Review 9 (January- February 1983): pp. 56-58.
13. Bruce R, McConkie, "Eve and the Fall," Woman, (Salt Lake City: Deseret Book, 1979), p. 57.
14. Discourses of Brigham Young, sel. John A Widtsoe (Salt Lake City: Deseret Book, 1941), p. 103.
15. J. F. Smith Jr., comp., Answers to Gospel Questions, (Salt Lake City: Deseret Book, 1957), p. 66.
16. Boyd K. Packer, general conference address, October 1988; or "Funerals, a Time for Reverence," Ensign, November 1988, p. 18.
17. Bruce R. McConkie, The Promised Messiah (Salt Lake City: Deseret Book, 1978), pp. 210-11.
18. 2 Néfi 2:11.
19. Boyd K. Packer, general conference address, April 1988; on "Atonement, Agency, and Accountability," Ensign, May 1988, p. 70.
20. Moisés 5:10
21. The Gospel of Philip (II, 3) The Nag Hammadi Library in English, Revised Edition, James M. Robinson, general editor, p. 153.
22. Bruce R. McConkie, Mormon Doctrine (Salt Lake City: Bookcraft, 1966), p. 289. Moisés2:27-28.
23. Spencer W Kimball "Blessings and Responsibilities,” Ensign,  March 1976 p. 71
24. Idem.
25. Bruce R. McConkie, Mormon Doctrine (Salt Lake City: Bookcraft, 1966)
26. Moisés 4:26.
27. Ensiamentos do Profeta Joseph Smith (Salt Lake City. Deseret Book. 1972). p. 301.
28. Hugh Nibley, '"Patriarchy and Matriarchy," Old Testament and Related Studies (Salt Lake City: Deseret Book; and Provo: Foundation for Ancient Research and Mormon Studies; 1986) p. 92.   
29. Elaine Pagels, Adam, Eve and the Serpent (New York: Random House, 1988). pp. 131-33.
30. Nehama Acschkenasy. Eve's Journey (Philadelphia: University of Pennsylvania Press. 1986).
31. Moisés 4:12.
32. 3 Néfi 27:29.
33. Moisés 7:32.
34. Hugh Nibley, "Patriarchy and Matriarchy," Old Testament and Related Studies (Salt Lake City: Deseret Book, and Provo: Foundation for Ancient Research and Mormon Studies, 1986) p. 89.
35. Personal conversation between the author and Hugh Nibley.
36. Spencer W. Kimball, "Blessings and Responsibilities," Ensign, March 1976, p. 71.
37. On the Origin of the World (II. 5 & XIII, 2) The Nag Hammadi Library in English, p. 182.
38. Elaine Pagels, Adam, Eve and the Serpent, (New York: Random House. 1988), p. 67.
39. Joseph Fielding Smith, Doctrines of Salvation (Salt Lake City: Bookcraft, 1954-56), 1:77.
40. Gênesis 3:7.
41. Moisés 4:18.
42. Nehama Acschkenasy, Eve 's Journey (Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1986).
43. Moisés  4:20.
44. Moisés 4:21.
45. Moisés 4:22.
46. Hugh Nibley, '"Patriarchy and Matriarchy," Old Testament and Related Studies (Salt Lake City: Deseret Book; and Provo: Foundation for Ancient Research and Mormon Studies~ 1986) p. 89
47. Idem.
48. "The Stress of Being Born," Scientific American 254 (April 1986).
49. Spencer W. Kimball, "The Blessings and Responsibilities of Womanhood," Woman (Salt Lake City: Deseret Book, 1979). p. 83.
50. J. Reuben Clark, "Our Wives and Our Mothers in the Eternal Plan," Relief Society Magazine,
      December 1946.
51. Bruce R. McConkie, Mormon Doctrine (Salt Lake City: Bookcraft, 1966)
52. Moisés 5:12
53. Russell M. Nelson, "Lessons From Eve," (speech presented at the general women's conference, Salt Lake City, Utah, September 26, 1987).
54. Gênesis 3:21.
55. John A. Widtsoe, Evidences and Reconciliations, Collector's Edition, arr. G. Homer Durham (Salt Lake City: Bookcraft, 1987), p. 195.    
56. Idem.
57. 2 Néfi 11:3.
58. Russell M. Nelson, Conferência Geral, Outubro de 1993; ou" Constância na Mudança," A Liahona, Novembro de 1993, pp. 33-34.
59. Boyd K. Packer, Conferência Geral, Outubro de 1993; ou " Para Esta Vida e para Toda a Eternidade," A Liahona, Novembro de 1993, p. 21.

60. Dallin H. Oaks, Conferência Geral, Outubro de 1993; ou "O Grande Plano de Felicidade," A  Liahona, Novembro de 1993, pp. 72-73.